sábado, agosto 30, 2008

O sítio onde Deus Morreu

A casa está escura e em silêncio. As paredes falam. Sussurram frases e palavras soltas de que a minha história é feita.
A tinta transpira a voz dele a ecoar no corredor quando clamava ajuda durante a noite. O barulho do arrastar dos pés de quem se levantava, noite após noite, para o acudir.
Aqui deitada, passados 13 anos, ainda me lembro dele deitado na cama de hospital a pedir clemência com os olhos. Que lhe tirassem as dores e o deixassem partir.
Hoje, ao passar no mesmo corredor de há 13 anos repleto de pessoas perdidas em si mesmas, ela diz-me:
- Foi aqui que ele acabou…
Eu sei. Já sabia. Estava lá. Mas ela não se lembra. Esquece tudo num ápice, repetindo incessantemente as histórias e perguntas com a mesma vontade e curiosidade de quem ainda não obteve resposta.
Engoli em seco e acedi com a cabeça. Custa-me falar dos últimos anos. Prefiro quando me conta pela centésima vez como se conheceram no eléctrico e passados 5 meses estavam casados. A centelha de orgulho nos olhos humedecidos quando relata que ele dizia que se voltasse atrás casaria com ela, sempre!
O orgulho de ter amado e sido amada como poucos foram!
Pejada de memórias num corrupio na minha cabeça cansada, arrasto-me silenciosamente, durante a noite, pela casa. Onde vivemos deixamos sempre parte de nós. De quem fomos quando habitamos aquele espaço. E ele deixou as suas “migalhas” que causam melancolia e saudade…
As barras no corredor que dá para a cozinha. Mandaram por quando ainda havia a esperança que voltasse a andar. Nunca o consegui embora tenha tentado com as poucas forças que lhe restavam…
Amava-o! Muito! Admirava-o como a ninguém! E, desde que nos deixou, ficou parte de mim por preencher.
No entanto, no fim da sua vida desejei-lhe a morte. Com todas as minhas forças pedia mentalmente que desistisse duma vez e acabasse com o sofrimento e tivesse, finalmente, algum sossego.
Merecia melhor do que a morte que teve. Para alguém que viveu uma vida tão válida, o pior castigo foi ter ficado inválido!
Deus morreu nesta casa.

7 comentários:

1/4 de Fada disse...

Fiquei imensamente comovida ao ler as tuas palavras... Lembrei-me tanto da minha avó, que morreu com 93 anos e cuja morte eu acabei também por desejar, para que terminasse o seu sofrimento! Beijinhos.

ematejoca disse...

Também fiquei muito comovida. Ainda nao estive numa situacao destas. Mas nao sei se conseguia desejar a morte de um ente-querido.
Bem sei, que é egoísmo da minha parte. Porém penso, que enquanto à vida, há esperanca.

Saudacoes ao regresso da "kleinen Fuchs"

Edgar disse...

Enquanto há vida, há esperança... mas a vegetatividade (consciente ou inconsciente) não é propriamente vida. É um constante adiar que vai consumindo tudo e todos até ao limite da exaustão, testando todos os limites do amor e dedicação. É o destruir da humanidade do doente e de quem dele cuida. Sorrir quando se quer chorar, conversar quando quer gritar. Cuidar quando quer partir tdo à nossa volta. O que se deseja não é a morte da pessoa, mas o fim do sofrimento. Do dela e do de todos nós... por muito que nos custe.

Fátima André disse...

Querida Renard,

Esta é a imagem que mais familiar me é... são histórias semelhantes as nossas com rumos diferentes, porque eu perdi o meu pai mas ganhei a força da Fé e nela o sentido para o sofrimento.
Deus continua a (re)nascer na humanidade.
Um beijinho de esperança renovada :)

Bill Stein Husenbar disse...

Comovente.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

f@ disse...

Não me pareçe que tenha morrido...pois continua vivo no vosso vcoração....
tudo de bom com a tua avó...
beijinhos das nuvens

f@ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.